Marrocos buscará outro couro cabeludo ibérico contra Portugal

Doha, Catar, dez. 8 (Reuters) – O Marrocos, impulsionado pela vitória sobre a Espanha, seguirá para as quartas de final no sábado após sua recente derrota na Copa do Mundo. Portugal.

Trinta e seis anos atrás, no torneio de 1986 no México, o Marrocos se tornou a primeira nação africana a se classificar para as oitavas de final da Copa do Mundo.

Eles agora têm a chance de se tornar os primeiros semifinalistas na África e no mundo árabe.

Tendo terminado em primeiro lugar, à frente dos finalistas de 2018, Croácia e Bélgica, o Marrocos sem dúvida terá outra chance de crescer como azarão.

Seu sucesso no Catar foi construído com resiliência defensiva e imprevisibilidade no contra-ataque, e essa estratégia foi totalmente executada contra a campeã de 2010, a Espanha.

O Marrocos se recusou a ser hipnotizado pelos extraordinários 1.019 passes de seu adversário e negou aos espanhóis um gol em duas horas de ação desgastante, enquanto empatava em 0 x 0 antes de ir para as oitavas de final nos pênaltis.

Por outro lado, o adversário de sábado, Portugal, que começou sem Cristiano Ronaldo, fez uma exibição deslumbrante de talento para golear a Suíça por 6 a 1 após uma campanha sem intercorrências na fase de grupos.

O rebaixamento de Ronaldo para o banco não tirou os holofotes dele, mas mostrou que Portugal pode prosperar sem seu talismã, e sua ausência impulsionou a equipe, pois eles eram mais móveis e fluidos sem o jogador de 37 anos.

O substituto de Ronaldo na noite foi Gonçalo Ramos, de 21 anos, que marcou seu primeiro “hat-trick” no torneio este ano e manterá seu lugar na estanque defesa marroquina.

“Vou usar o que acredito ser a estratégia certa, como fiz em toda a minha carreira”, disse o técnico de Portugal, Fernando Santos.

READ  Dare faz tour 'Football City' em Portugal

A linha de frente de Portugal foi mais imprevisível na terça-feira, com João Félix e Bruno Fernandes jogando mais livremente do que o normal e se divertindo com a movimentação e o toque suave de Ramos, que perseguiu os zagueiros suíços.

A jogada audaciosa do Santos acabou sendo um golpe de mestre, já que a mudança do técnico suíço Murad Yakin para os cinco defensores em sua primeira partida eliminatória saiu pela culatra. Yakin disse que era porque esperava que Ronaldo fosse dispensado.

“Gostaríamos que ele tivesse jogado. Em vez disso, Ramos nos machucou”, disse Yakin a repórteres na quarta-feira.

Perder para a França nas meias-finais de 2006 – com Portugal a tentar fazer a sua própria história – Marrocos será um teste ao seu novo sentido de aventura e à vontade do Santos de manter Ronaldo na reserva.

Declaração de Ritika Sharma; Edição por Ken Ferris

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá