Milhares de professores foram às ruas de Lisboa, Portugal, para protestar por aumento salarial

Muitos professores foram às ruas em Lipson no sábado para exigir salários mais altos e melhores condições de trabalho.

Lipson,Atualizada: 15 de janeiro de 2023 08:22 IST

Trabalhadores de escolas públicas protestam por melhores salários e condições de trabalho em Lisboa, Portugal. (Foto: Reuters)

Por Reuters: Em um novo golpe para o governo português, dezenas de milhares de professores e funcionários de escolas portuguesas saíram às ruas da capital Lisboa para exigir salários mais altos e melhores condições de trabalho em um dos maiores protestos dos últimos anos.

Durante uma manifestação pacífica organizada pelo Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP), os manifestantes carregavam faixas e entoavam palavras de ordem exigindo a renúncia do ministro da Educação, João Costa.

Os professores na faixa salarial mais baixa ganham cerca de 1.100 euros (US$ 1.191,08) por mês e mesmo os professores do melhor grupo geralmente ganham menos de 2.000 euros mensais. Os opositores dizem que os salários atuais são muito baixos, especialmente devido à crise do custo de vida.

“Os professores merecem um salário justo porque trabalhamos a vida toda. Nunca fomos corruptos, nunca roubamos como o mau exemplo dos políticos”, disse Maria Duarte, uma professora de história de 62 anos. Ele disse enquanto esperava o desfile começar.

Os socialistas, liderados pelo primeiro-ministro Antonio Costa, conquistaram a maioria parlamentar nas eleições de um ano atrás, mas o governo teve uma trajetória atribulada desde então, com 13 ministros e secretários de Estado deixando seus cargos devido a irregularidades passadas ou outras alegações. Práticas questionáveis.

Leia mais | Por volta da meia-noite, professores protestantes saíram às ruas e Calcutá explodiu em fúria.

READ  Alemanha: Declaração da Ministra dos Negócios Estrangeiros Annalena Beierbach antes da partida para Portugal

“Os líderes que assistirem a esta manifestação fariam bem em pensar com muito cuidado no que vão fazer a seguir, porque queremos que isso tenha consequências; medidas sérias sejam tomadas”, disse o professor de matemática Aitor Matos.

O homem de 47 anos disse que os professores “continuam perdendo renda” e muitas vezes são colocados em escolas longe de casa.

Os manifestantes, alguns vestidos de preto para lamentar o estado do setor educacional, disseram que o governo pouco fez para melhorar sua situação.

Leia mais | Professores principais em Odisha protestaram por aumento anual de salário

“Queremos ser respeitados”, disse a professora de necessidades especiais Lucinda Lopes, 52. “Eles devem nos dar o que é nosso e não podem tirar o pouco que temos.”

Professores de todo o país estão em greve desde o início de dezembro, deixando muitos alunos impossibilitados de assistir às aulas. O ministro da Educação disse na sexta-feira que alguns professores podem ser forçados a voltar ao trabalho ditando serviços mínimos.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá