Portugal monitorizou zonas francas para o desenvolvimento de vento flutuante

Portugal planeja criar áreas de propósito específico para permitir o rápido desenvolvimento de projetos e tecnologias eólicas flutuantes.

As Zonas Livres de Tecnologia (ZLT em português) permitem um processo regulatório mais rápido para desenvolvedores eólicos flutuantes e visam fornecer melhores ambientes e campos de teste para o desenvolvimento de tecnologias offshore para energia eólica.

“O vento flutuante, em particular, desempenhará um papel significativo na futura transição energética. Em reconhecimento a esta oportunidade, Portugal está agora planejando zonas livres tecnológicas especialmente adaptadas para o desenvolvimento de turbocompressores”, disse Marco Alves, diretor executivo da WavEC, uma organização local focada na promoção de energia limpa offshore.Nov. Realizada em Lisboa.

O local de testes da Aguçadoura e as zonas piloto de Viana do Castelo já estão emergindo como locais líderes para tais esforços.

No início deste ano, cinco empresas portuguesas – CEiiA, CoLAB+ATLANTIC, Forum Oceano, INESC TEC e WavEC Offshore Renewables – criaram o OceanACT-Atlantic Lab for Future Technologies. Mérito das tecnologias renováveis ​​marinhas e offshore.

Estas iniciativas incluem o projeto de demonstração de energia das ondas HiWave-5 da CorPower Ocean, que está programado para ser lançado no local de testes da Aguçadoura em um futuro próximo.

O artigo continua abaixo do anúncio

O desenvolvedor de energia renovável BayWa re está planejando um parque eólico flutuante na costa de Viana do Castelo – um projeto de 600 MW e 30 turbinas que não dependerá de subsídios do governo e será construído comercialmente por meio de contratos de compra de energia prospectiva (PPA). clientes.

O desenvolvedor está trabalhando com o governo português e atualmente busca a aprovação do projeto.

Outros países, incluindo Canadá, Austrália, Cingapura e Reino Unido, seguem uma abordagem de zona franca semelhante.

READ  Ryanair oferece grandes descontos nas vendas semanais em voos para Espanha, França e Portugal

Portugal inicialmente planejava realizar seu primeiro concurso eólico offshore neste verão e planeja oferecer entre 3 e 4 gigawatts. Foi adiado para 2023, mas a capacidade eólica offshore alvo foi aumentada para 10 GW.

Portugal já se tornou pioneiro na energia eólica flutuante com a implementação bem-sucedida do projeto piloto WindFloat Atlantic de 25 MW liderado pela EDF Renewables na zona piloto de Viana do Castelo, que entrou em operação em 2020.

A vizinha ibérica Espanha viu a recente aprovação do seu roteiro eólico offshore, que visa instalar 3 GW de capacidade eólica offshore até 2030.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá