Portugal não conseguiu proteger-se da radiação

A Comissão Europeia anunciou que Portugal terá de explicar ao tribunal da União Europeia (UE) o atraso na alteração das normas europeias de proteção contra os perigos da exposição às radiações ionizantes.

De acordo com o Administrador da Comunidade, “Devido à falta de informação sobre a elaboração de um plano de ação nacional para mitigar os riscos de longo prazo decorrentes da exposição do Radon, decidiu-se avançar para a terceira fase do processo de violação. [EU law]”.

O despacho em questão alarga a aplicação das regras de segurança a uma vasta gama de fontes de radiação e tipos de exposição: ocupacional, médica, geral e ambiental.

Segurança do trabalho

Esses regulamentos abrangem a segurança dos trabalhadores, especialmente do pessoal médico, locais de trabalho com radônio interno e atividades de processamento radioativo natural, especialmente pacientes submetidos a tratamento com radônio e radiação em residências.

Até 6 de fevereiro de 2018, a Ordem de Padrões Básicos de Segurança deve ser totalmente convertida em lei nacional.

Em novembro de 2019, a Comissão Europeia enviou um parecer razoável a Portugal, convidando o país a notificá-lo de todas as medidas de recolocação do referido despacho.

Desde então, Portugal anunciou medidas adicionais de recolocação, mas não mudou completamente as regras.

READ  Olympic Live: atualizações e notícias sobre a contagem de medalhas

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá