Carne e ovos estão entre os itens apreendidos pelas autoridades em Portugal

As autoridades portuguesas apreenderam toneladas de produtos à base de carne e milhões de ovos em operações recentes.

A Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) realizou uma inspeção às lojas de refrigerantes dos concelhos de Vila Verde, Vila Nova de Famalicão e Braga.

Um total de 33 toneladas de produtos alimentares de origem animal, maioritariamente produtos à base de carne, foram apreendidos por incumprimento das normas sanitárias, falta de número de gado emitido pela Direção-Geral da Alimentação e Medicina Veterinária (DGAV) e falta de alvará . O valor total dos produtos é de € 93.000 ($ 100.000).

Após a inspeção dos produtos, cerca de 3,1 toneladas foram consideradas impróprias para consumo por estarem danificadas, sem informações rastreáveis ​​ou com prazo de validade vencido. A ASAE também suspendeu a operação de ração animal em lojas de refrigerantes.

Uma operação anterior encontrou o abate ilegal de animais em Évora.

Os cordeiros foram abatidos em ambiente não licenciado para tal operação e sem condições sanitárias adequadas. Além disso, os animais não são submetidos a testes obrigatórios para detectar doenças. As autoridades apreenderam cerca de 72.500 kg de carne, documentos e equipamentos. Outra pessoa foi presa.

Testes de ovos, transporte e pesca
Em meados de abril, a ASAE e unidades regionais inspecionaram centros de triagem e embalagem de ovos no distrito de Castelo Branco e em Guimarães.

Imagem: ASAE. Descobertas da função do ovo

Em Castelo Branco, os funcionários constataram que faltavam informações como datas de desova e prazo de validade. Houve uma discrepância entre os registros semanais e os estoques no site. Mais de 1,3 milhão de ovos foram interceptados e ações administrativas iniciadas.

Em Guimarães, cerca de 17.000 ovos foram apreendidos devido a problemas de identificação e não rastreabilidade.

READ  Para onde vão os portugueses na Páscoa?

Mais de quatro toneladas de alimentos foram apreendidos em uma operação separada visando as condições de tráfego.

Foram verificadas as condições sanitárias de transporte, controle de temperatura, embalagem e rotulagem dos produtos alimentícios e documentos que os acompanham.

Entre os itens apreendidos estavam três toneladas de carne, cerca de 1 tonelada de batatas, pão congelado e 40 litros de espumante.

Outro estudo debruçou-se sobre o setor da transformação do pescado no concelho de Ílhavo.

Mais de € 450.000 (US$ 484.000) em quase 56.500 quilos de peixe salgado seco, destinado ao mercado comercial, foram apreendidos depois que as autoridades determinaram que não eram seguros.

No caso dos congelados, os inspetores constataram que o operador adquiriu o bacalhau, mas havia problemas no processo de secagem e salga, deficiência do sistema HACCP e falta de análise ou comprovação do cumprimento dos critérios microbiológicos e químicos.

(Para se inscrever para uma assinatura gratuita do Food Safety News, Clique aqui.)

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal de Humaitá